Festival Internacional de Cinema de Roterdão 2013

3015IFR_A0-1-430x604

Na passagem de Janeiro para Fevereiro, Roterdão celebra o cinema com a 42ª edicão do seu cada vez mais conceituado festival e o Cinemaville foi até lá. Este ano o programa divide-se em seis secções diversificadas que conciliam filmes de realizadores de renome com novos talentos e tem entre os seus convidados nomes como Bernardo Bertolucci, Paul Thomas Anderson, Jean-Claude Brisseau, Park Chan-Wook ou Matteo Garrone. Pela primeira vez na sua história, a sessão inaugural do festival ficou a cargo de uma obra produzida na Holanda, concretamente The Resurrection of a Bastard, de Guido van Driel.

A secção competitiva do festival divide-se em duas componentes: os prémios “Hivos Tiger”, um ponto de partida para novos talentos que aqui são projectados a nível internacional; e a competição de curtas-metragens, denominada de prémios “Tiger”. A competição de curtas não é focada apenas em jovens talentos, aceitando-se qualquer realizador como participante. “Bright Future” é a secção cuja missão consiste em dar espaço aos novos talentos idiossincráticos e carismáticos da realização, sendo aceites apenas primeiros e segundos trabalhos. Por sua vez, “Signals” apresenta tradicionalmente desenvolvimentos sociais e artísticos específicicos por via do cinema, este ano com uma parte do programa inteiramente dedicada à produção iraniana. Uma das secções mais concorridas é sempre “Spectrum”, que funciona como montra do cinema internacional da actualidade e oferece uma vez mais diversas estreias mundiais, entre elas o novo filme de terror do japonês Nakata Hideo, The Complex, o road movie belga Tenderness, de Marion Hänsel, o conto neo-místico How to Describe a Cloud, do holandês David Verbeek, Avant Que Mon Coeur Bascule, de Sébastien Rose, ou ainda Pretty Butterflies, do italiano Salvatore Mereu.

Portugal também está bem representado no festival neerlandês, desde logo pelo consagrado Manoel de Oliveira, com o seu O Gebo e a Sombra, e pelas curtas-metragens Luz da Manhã, de Cláudia Varejão, Manhã de Santo António, de João Pedro Rodrigues, Na Escama do Dragão, de Ivo Ferreira e Sinais de Serenidade por Coisas Sem Sentido, de Sandro Aguilar, para além de uma selecção de filmes produzidos no âmbito de “Guimarães 2012”.

Fiquem atentos nos próximos dias à reportagem especial sobre este festival, directamente de Roterdão. Entretanto, informações e programação completa no site oficial.

Anúncios

Comentários

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s