Reportagem: a fusão de Jean Vigo com Norberto Lobo no Teatro do Bairro

norbertolobo

Esta foi uma noite de cinema invulgar. Sem cadeiras a formar uma plateia, o público dispersou-se pelos diversos recantos do Teatro do Bairro, a maioria sentando-se no chão, em frente ao palco. A Zero em Comportamento (organização evidentemente inspirada pela obra com o mesmo nome) aliou-se à Baixa-Chiado PT Bluestation e encerrou desta forma a programação que durante o mês de Fevereiro esteve a seu cargo. A dois filmes de Jean Vigo, Taris e Zero em Comportamento, juntou a música singular de Norberto Lobo. Se experimentar o cinema com música ao vivo raras vezes corre mal, quando as imagens são deste incrível cineasta francês e os sons de um dos músicos mais criativos da cena portuguesa, as expectativas elevavam-se à partida. E cumpriram-se em pleno.

VIGO-Taris

Embora este tipo de conjugação seja mais comum com filmes mudos, estas são duas obras sonoras, inclusivamente das primeiras experiências do sonoro em França. Taris, uma curta-metragem experimental, consiste sobretudo em filmagens numa piscina, bastante invulgares à época, protagonizadas pelo grande atleta francês que dá nome ao filme. Este quase-anfíbio é aqui objecto de belos e ousados planos, desde apertados close-ups a extravagantes rewinds, passando por peculiares sequências subquáticas em slow motion.

Zero_Riot

Por seu turno, Zero em Comportamento é um poema revolucionário como há poucos, tão pueril quão subversivo. Censurada em França durante 12 anos, a média-metragem encerra uma lição não apenas à frente do seu tempo mas sobretudo liberta de amarras temporais, influenciando posteriormente diversos cineastas (veja-se Os Quatrocentos Golpes, de François Truffaut). A acção centra-se em três rapazes que regressam à escola depois das férias para enfrentar novamente uma escola mais eficaz no controlo e na repressão dos seus pupilos do que na sua missão educativa. Maus professores, refeições repetitivas e uma cultura disciplinadora valorizada acima de qualquer outro objectivo são o que caracteriza esta instituição. Mas os rapazes têm um plano secreto rumo à liberdade e mal podem esperar para o colocar em marcha.

Jean Vigo partiu jovem, com apenas 29 anos, mas antes deixou-nos uma inspiradora fábula libertária, que do primeiro ao último plano nos relembra que perante o querer e a união dos homens nem o céu terá limites.

Zero_Sky
Impõe-se a questão: que trouxe Norberto Lobo de novo a estes filmes já de si fascinantes? Pois bem, o guitarrista atingiu um equilíbrio complicado entre o respeito sincero pela obra e a criação desprendida, cujo único “defeito” foi o de captar demasiadas vezes a atenção do público, desviando o seu olhar do grande ecrã. Conjugando a sua composição com a estrutura dos filmes, acrescentou-lhes uma densidade considerável através de profundas paisagens sonoras e conferiu-lhes quase sempre uma toada mais séria e tensa do que a que encontramos na faixa sonora original. O resultado foi único e, em princípio, irrepetível, pelo que os presentes se puderam considerar privilegiados pelo que assistiram.
Anúncios

Comentários

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s