Open Air Cinema 2014 na praça do Martim Moniz

mercado-de-fusao_martim-moniz

Com os dias grandes e solarengos, as noites de quarta-feira estão reservadas para o Open Air Cinema que regressa ao Martim Moniz. Esta iniciativa vai estender-se até setembro de 2014. Quartas partir das 21h, a sessão é no Mercado de Fusão, Praça do Martim Moniz.  Numa parceria da Zero em Comportamento, a praça do Mercado de Fusão, recebe mais uma iniciativa de verão levando a sétima arte directamente às pessoas, sempre com entrada livre.

2 julho | 21h
Music Box Club Docs – Terrakota
De Paulo Prazeres / Documentário / Portugal / 2010 / 58’ / M/12
Os Terrakota nasceram no final da década de 90 e estrearam-se na colectânea “Optimus 2001”, com “Balamakoté”, tornando-se célebres pela energia dos concertos. As suas viagens pelo mundo deixam o Senegal ou a Índia como pontos de paragem marcantes. Até ao momento editaram os álbuns “Terrakota”, em 2002, “Humus Sapiens”, em 2004, e “Oba Train”, em 2007.

9 julho | 21h
As Mãos no Ar
Romain Goupil / Ficção / França / 2010 / 90′ / M/8
Quando um colega de carteira vai morar para outra cidade ou, por qualquer outra razão, é obrigado a mudar de escola, deixa sempre um lugar vazio. A sua falta é sentida, mas a vida continua, porque não há nada a fazer, nada de terrível a evitar. O caso de Milana é diferente. Estamos em 2067 e ela relembra um momento marcante da sua infância, que teve lugar há quase 60 anos, em 2009, quando era uma jovem imigrante chechena em Paris. A sua família, como tantas outras, não tinha os documentos em ordem e a ameaça de expulsão do país pairava constantemente sobre as suas cabeças. Quando se dá conta que o pior pode estar prestes a acontecer, o seu grupo de amigos, composto por Blaise, Alice, Claudio, Ali e Youssef, decide reunir esforços e fazer o possível e o impossível para salvar Milana. Enquanto aplicam as suas estratégias primárias para evitar que a deportação aconteça, os adultos fazem aquilo que sabem fazer melhor: preocupam-se. Mas isso não é suficiente para os mais novos. A confirmar a veia militante do realizador, esta é uma história política vivida pelos mais novos, que chama a atenção para o que de humano pode estar em falta na burocracia.

16 julho | 21h
FILMINHOS INFANTIS
Programa de Cinema Infantil composto por 8 curtas-metragens de animação.
Neste programa temos um menino que não gosta de brincar e prefere sonhar, e um boneco de plástico que um dia inventa um monstro! Ficamos a conhecer um coelho muito esperto e um rapaz bolota na aldeia dos insectos. Seguimos para um laboratório e resolvemos o mistério da moldura partida. De repente já é Natal outra vez e temos de ajudar um polvo feito em três!
As novas espécies, de Evalds Lacis, Animação, Letónia 2008, 9’ Um entomologista encontra um novo tipo de insecto no prado e fica contente com a ideia de o juntar à sua colecção. Mas os insectos não querem ser objectos de museu – as duas meninas bug têm que encontrar uma maneira de salvar os pais.
Hugh, de Sylvain Nouveau, Mathieu Navarro, Aurore Turbé, François Pommiez, Anim, França, 2007, 9′ Um velho xamã partilha uma história com três crianças. Há muitos anos atrás, os pássaros não conseguiam voar e os homens caminhavam curvados porque o céu estava muito baixo. As crianças decidiram mudar o curso das coisas e tentaram levantar o céu, recorrendo a paus.
As Aventuras de Miriam: A Inundação, de Riho Unt, Animação, Estónia, 2006, 5′ Os pais não estão em casa e Miriam, o irmão mais novo e a Galinha divertem-se vendo patos a nadar, na televisão. A Galinha fica invejosa e Miriam decide dar-lhe um banho na banheira. Será que vai correr bem?
Uma Galinha bem passada, de Arjan Wilschut, Animação, Holanda, 2006, 5′ Um galo detective e uma galinha em desespero têm de resolver o caso do Ovo desaparecido..!
Conhece o Buck, de Denis Bouyer , Yann de Preval, Laurent Monneron, Vincent E. Sousa, Anim, França, 2010, 4′ Ele é um rapaz charmoso, cheio de estilo, tem uma mota. O facto de ter cabeça de veado é só um pequeno pormenor, mas para o sogro, um feroz caçador que acaba de conhecer, é um pormenor de extrema importância.
Som de Mudança, de Harmony Bouchard, Raphaël Cenzi, Joakim Riedinger, Andy Le Cocq, Anim, França, 2011, 6′ Um barbeiro racista muda de estado de espírito, com a chegada de uma trompeta mágica à sua barbearia.
Herzafen, de Tolga Ari, Romain Blanchet, Chung-Yu Huang, Rémy Hurlin, Animação, França, 2010, 3′ Hezarfen está pronto para inaugurar o primeiro voo humano e, mesmo que não estivesse, uma sequência de acontecimentos obriga-o a dar o salto.
Pai e Filha, de Michael Dudok De Wit, Animação, Polónia, 2001, 8’ Um pai diz adeus a sua filha. O tempo passa e a filha cresce, mas dentro dela há sempre uma profunda saudade do seu pai.

23 julho | 21h
O nossa forma de vida, de Pedro Filipe Marques I Documentário I Portugal I 2011 I 91′
Oitavo andar de uma torre azul. O casamento entre o trabalhador eterno Armando e o consumismo da dona de casa Maria Fernanda sobrevive há 60 anos. Partilham as suas visões como parceiros do mesmo crime, transformando o quotidiano numa breve comédia da vida e comentando sobre aquilo que um país em decadência económica ainda tem para lhes dar.

30 julho | 21h
De Quinta a Domingo, de Dominga Sotomayor / Ficção / Chile, Holanda / 2010 / 93′ / M12
Um fim de semana familiar é a proposta deste road-movie. Aquilo que poderia ser um momento íntimo de partilha a quatro é, contudo, manchado pela constatação de que será a última vez que estarão todos juntos. Há dois mundos no carro – o banco de trás que acompanha com pequenas intromissões as nucas quase sempre em tensão dos pais, e o banco da frente que dividido a meias, tenta comunicar para trás apenas o seu lado mais positivo. Há assim, um terreno minado o qual é necessário tactear com cuidado. “Quero dormir cansada” frase cantada no filme, vem atestar o fim da relação, como uma balada de despedida. Embora jovem, Dominga Sotomayor segura o filme com pinças de mestre, revelando cada detalhe com doçura e emoção, criando imagens com sombras, tirando partido de luzes e da paisagem, fazendo-nos penetrar num universo familiar do qual nunca nos sentimos intrusos, nem voyeuristas.

6 agosto | 21h
A Caminho do Pôr do Sol, de Julie Moggan / Documentário / Reino Unido / 2005 / 58’ / M/12
Houve uma altura em que uma viagem a bordo do cruzeiro Queen Elizabeth II era o máximo do luxo, apenas acessível a milionários. Os tempos mudaram e o navio está agora cheio dos mais diferenciados passageiros, quase todos ingleses e quase todos idosos. Hoje, os reformados ingleses médios concretizam o sonho das suas vidas viajando a bordo. Ficamos a conhecê-los melhor durante um destes cruzeiros. A observação social torna-se um pretexto para contar uma história agridoce sobre o amor e o tempo que passa.

13 agosto | 21h
FILMINHOS INFANTIS
Programa de Cinema Infantil composto por 8 curtas-metragens de animação:
Abrimos a sessão com as aventuras de duas amigas bem diferentes e pelo caminho encontramos o lobo mau do capuchinho Vermelho e umas vogais pouco amigáveis! Logo depois vamos conhecer um lápis de cor vermelha e uma mosca muito incómoda… Apanhamos o barco e seguimos viagem com uma ovelha branca e ficamos a perceber o que acontece num planeta longínquo. Vamos terminar com uma história de amizade em duas dimensões.
Foxy & Meg descobrem os Opostos, de André Letria, Portugal, 2010, episódios de 3′
Foxy e Meg são duas amigas bem diferentes e nesta aventura vão descobrir os antónimos! O que será que significa esta palavra?
As Aventuras de Miriam: O Teatro, de Priit Tender, Animação, Estónia, 2007, 5′
Miriam, o irmão mais novo e a Galinha, vêem uma representação do Capuchinho Vermelho. Estão totalmente envolvidos emocionalmente, temendo sobretudo a aparição do lobo.
Ginjas e as vogais, de Zepe e Humberto Santana, Portugal, 2011, episódios de 2′
Nem todas as letras são amigáveis, e estas vogais parecem perigosas. Ginjas com muito engenho, terá de sobreviver ao «a, e, i, o, u»!
O Pequeno Rudy, de Dace Rīdūze, Letónia, 2013, 9′ Rudy é um lápis de cor vermelha, que, juntamente com os outros lápis, vai colorindo a história à medida que ela é contada. O seu trabalho continua até o momento em que é interrompido pelo aparecimento de uma mosca muito incómoda…
O Barco, de Jānis Cimmermanis, Animação, Letónia, 2013, 7′
História sobre o barco Vasa e uma equipa de resgate que vai enfrentar uma praga de ratos muito inteligentes! Trailer:
O Miúdo Louro e a Ovelha Branca, de Eloi Henriod, França, Animação, 2013, 9’
O Miúdo Loiro e a Ovelha Branca conta a história do pequeno Pierre que, de volta às aulas, relembra as férias passadas com a sua adorável ovelha.
Ex-Et, de Benoît Bargeton, Rémy Froment, Nicolas Gracia, Yannick Lasfas, Animação, França, 2008, 8′ Num planeta longínquo, onde tudo está extremamente regrado e ordenado, uma criança vem semear o caos…
O Coelho e o Veado, de Péter Vácz, Animação, Hungria, 2013, 17′
O Coelho e o Veado viviam felizes e contentes até a sua amizade ser posta à prova pela nova obsessão do Veado de encontrar a fórmula para a 3ª dimensão. Depois de um acidente inesperado, o Veado foi parar a um mundo novo e desconhecido. Separadas por dimensões as duas personagens têm de encontrar uma forma de voltar a estar juntas.

20 agosto | 21h
Music Box Club Docs – Pop dell’Arte
De Paulo Prazeres / Documentário / Portugal / 2011 / 55′
Banda de referência da chamada música moderna portuguesa, os Pop Dell’Arte nasceram em 1984 no bairro lisboeta de Campo de Ourique, cruzando referências das vanguardas artísticas, do cinema, da literatura e da cultura pop, editam os primeiros registos, o maxi “Querelle”, o single “Sonhos Pop” e o álbum “Free Pop”, em 1987. Com as atenções sempre centradas na expressividade do vocalista João Peste, que com o baixista Zé Pedro Moura é o único fundador que atravessou toda a carreira da banda, os Pop Dell’Arte representam uma geração que, pela independência, comentário social e arrojo musical, revolucionou o panorama português. Em 1986, João Peste fundou a Ama Romanta, histórica editora independente cujo catálogo inclui nomes como Mler Ife Dada, Mão Morta ou Sei Miguel. Depois de “Ready Made” (1993) e “Sex Symbol”, a Banda regressaria às edições com o EP “So Goodnight”, em 2001. “Contra-Mundum” é o seu último álbum (2010). Ao longo dos anos, passaram pelos Pop Dell’Arte músicos como Luís San Payo, João Paulo Feliciano, JP Simões ou Tiago Miranda, actualmente, são formados por João Peste, Zé Pedro Moura, Eduardo Vinhas, Nuno Castedo e Paulo Monteiro.

27 agosto | 21h
Leroy

De Armin Völckers / Ficção / Alemanha/Suécia / 2008 / 85′ / M/12
Leroy, um afro-alemão de 16 anos, é demasiado alemão para ser negro. A sua vida complica-se quando conhece os irmãos skinhead da sua namorada Eva.

Anúncios

Comentários

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s