«O País das Maravilhas» segundo Alice Rohrwacher

le-meraviglie-2014-alice-rohrwacher-poster

CV_SinaisMaisMenos-01

O País das Maravilhas de Alice Rohrwacher é a sua segunda longa-metragem de ficção, vencedora do Grande Prémio do Júri de Cannes em 2014. Um filme sobre um lugar, na região Umbria da Itália, que por um período de tempo foi ocupado por humanos e pela energia da sua vida. A sequência inicial do filme mostra-nos um terreno escuro e vislumbra-se ao fundo uma luz que se vai tornando mais visível até denunciar várias carrinhas: são os humanos quase como extraterrestres a chegar àquele espaço natural. A história leva-nos até ao quotidiano de uma família de apicultores que se estabelece numa propriedade em decadência e aí faz a sua vida. As quatro filhas do casal ajudam nas tarefas da agricultura e apicultura, e os pais e uma tia conduzem aquela sinfonia dissonante. A pérola das inter-relações destas personagens é o amor, muitas vezes traduzido em disciplina, entre o pai (Sam Louwyck) e a filha mais velha (Maria Alexandra Lungu). Ela é o braço direito do pai e como tal tem a sua devoção mas também o peso do rigor e da expectativa. Um tipo de amor que começa a escassear nos nossos dias frenéticos onde o sim é a única resposta que garante a satisfação momentânea dos filhos e cala o sentimento de culpa dos pais. A liberdade naquele lugar tem um significado diferente, não se trata de escolher o que fazer a cada dia, porque aí ditam as leis da agricultura, mas é algo intangível que se pode respirar. O guarda roupa é uma característica forte no filme, os personagens andam muitas vezes de roupa interior enfatizando essa liberdade que lhes é dada por viverem geograficamente afastados. O País das Maravilhas, tal como o nome do filme, é o nome de um programa de televisão, apresentado por Milly Catena (Monica Bellucci), que se instala na comunidade para premiar o melhor produtor. Este serve para nos lembrar que, se esta família é atípica, o freak show do entretenimento populesco é bastante mais. A crítica e a ironia patente nesse concurso é muito bem explorada: de maneira ultra artificial, o concurso explora e humilha a comunidade com o objectivo único de se aproveitar dos seus costumes para proveito económico.  O turismo aparece como uma salvação traiçoeira com a promessa de riqueza económica a áreas esquecidas pela “civilização”.
CV_SinaisMaisMenos-02
Um filme que a realizadora descreve como orgânico tem por vezes um equilíbrio instável entre a ficção e o documentário. Não sendo um documentário, portanto sem a autenticidade da verdade crua, o registo de ficção perde-se na construção de personagens que ficam por desenvolver. É o caso da mãe (Alba Rohrwacher), que é um satélite do núcleo central pai-filha mas que quando aparece é mostrada como a que traz paz, o carinho e compreensão, ou o destino do rapaz mistério que escolhe a compreensão de uma ilha deserta face aos desafios da sociedade. O País das Maravilhas tem uma estética próxima do documentário, uma fotografia natural sem grandes artifícios, quase sem banda sonora, com grandes planos que contextualizam as personagens no seu habitat. Esta opção é coerente com a perspectiva neutra do filme, onde os humanos são tão importantes como o terreno ou as abelhas, mas por outro lado perde do lado emocional e da visão humana desta família.

 Classificação (0-10): 8

 

Anúncios

Comentários

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s