DOCLISBOA’18: Destaques da programação

Cartaz-Doclisboa18

O Doclisboa começa já esta quinta-feira, dia 18 de outubro, a sua 16ª edição. Dez dias carregadinhos de estreias mundiais ou internacionais nas secções competitivas, num total de 243 filmes exibições, 68 estreias mundiais, 22 estreias internacionais, 59 filmes portugueses, 54 países representados.

Extinção

Na Competição Portuguesa estão a concurso 18 filmes, entre eles Extinção, de Salomé Lamas, sobre as fronteiras dos territórios da antiga URSS  e as últimas posições políticas de Vladimir Putin, Terra Franca de Leonor Teles, onde testemunhamos a a vida do pescador Albertino Lobo, atravessando as quatro estações e a História Secreta da Aviação, de João Manso, que faz uma reflexão seminal sobre o que sobe e o que se abate.

Competição Internacional exibe 22 filmes, e nos Verdes Anos estão 20 filmes a concurso, entre curtas e longas-metragens. A secção presenta, fora de competição os três primeiros filmes de David Pinheiro VicenteCláudia Varejão Miguel Gomes. Em competição destacamos 24 Memórias por segundo, de Carlos MirandaCartografia de Um Ensaio, de Ana-Maria Basto, Aurora de Carlota Flor e  A Ilha Invisível de Rui Almeida Paiva. Além da selecção de filmes de novos realizadores, serão exibidos trabalhos de final de curso da escola convidada, a Academia Real de Belas Artes da Universidade de Gante (KASK).

24 Memórias por Segundo

Heart Beat é a secção do Doclisboa que enche o festival de música e dança: ficamos a conhecer Chilly Gonzales na abertura, há ainda Depeche Mode, jazz, country, fado e dancehall. Duas senhoras do punk brilharão no ecrã: Joan Jett e Vivienne Westwood. Para recordar a rainha da soul, Aretha Franklin, exibimos o lendário musical The Blues Brothers.

Westwood: Punk, Icon, Activist

Da Terra à Lua apresenta os mais recentes filmes de realizadores chave do panorama documental da actualidade. Aos filmes já anunciados de Wang BingFrederick WisemanRithy PahnStefano Safona e Želimir Žilnik, junta-se um nome de peso: Michael Moore e o seu mais recente Fahrenheit 11/9. Destaque ainda para duas estreias mundiais: PE SAN IE – O Poeta de Macau, de Rosa Coutinho Cabral, e O Plano, de Steve Sprung.

A secção Riscos traz-nos James Benning e Mike Hoolboom como realizadores convidados, que nos propõe como foco temático, “Transmissão, Territórios Imaginados”, que condensa uma linha de força do festival: filmar é confrontarmo-nos com outros mundos possíveis. Jorge CramezManuel BotelhoRui Simões trazem obras que nos falam disso mesmo. O actor Jean-François Stévenin é um dos convidados do festival, e irá apresentar cópias restauradas dos três filmes que realizou.

Arché, laboratório profissional de desenvolvimento de projectos, conta este ano com um total de 12 projectos, dos quais 4 são portugueses. Os tutores desta edição são Marta Andreu,  Luciano Rigolini e Andrés Duque.

Doclisboa’18 acontece de 18 a 28 de Outubro, na Culturgest, no Cinema São Jorge, na Cinemateca Portuguesa  e no Cinema Ideal.

Anúncios

Comentários

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s