«Midsommar»: do paraíso campestre ao inferno pagão

É um enredo inúmeras vezes explorado no universo do terror: um grupo de jovens parte numa viagem, algo começa a correr mal e, previsivelmente, as suas vidas passam a estar em jogo. Depois da promissora estreia com Hereditário, o que distingue então a segunda longa-metragem de Ari Aster desta fórmula tão experimentada?

Desde logo, um dos aspectos que mais surpreende é a acção decorrer quase exclusivamente sob a luz do dia, graças ao fenómeno do sol da meia-noite. Isto porque a viagem em causa é até uma comuna no interior da Suécia, terra natal de um dos jovens, Pelle. Igualmente pouco usual no género é a riqueza cromática da maioria dos planos, fruto das características deste lugar, que se mostra um paraíso verdejante mas parece esconder um inferno pagão.

Para além disso, Aster assume clara despreocupação com a relativa previsibilidade da narrativa e aposta, sim, em servi-la ao ritmo certo e com um apurado sentido estético. Inclusivamente, oferece ao espectador vislumbres prévios da acção que se segue, ilustrada em murais antigos. Mais do que sustos e saltos da cadeira, reina uma sensação de absurdo que anda às voltas com um progressivo desconforto causado pelos rituais a que se assiste.

O filme dá sinais de tributo a The Wicker Man (de Robin Hardy) e contribui para o revivalismo do terror de inspiração folclórica (The Witch, de Robert Eggers, é um excelente exemplo, assim como Foge ou Nós, de Jordan Peele), um tipo de narrativa quase antropológica que se fundamenta em tradições e mitos não apenas para explorar o medo e o choque mas também, em certa medida, para colocar dilemas morais pertinentes.

Considerando o tempo até que que a situação central é apresentada, a duração talvez seja excessiva e as interpretações não ajudam propriamente a elevar o filme, excepção feita à atriz principal Florence Pugh (que vimos recentemente em Lady Macbeth). Em compensação, o exímio trabalho de câmara e o desconcertante argumento, pleno de humor doentio, fazem de Midsommar um slasher invulgar, cozinhado intencionalmente em lume brando.

Classificação (0-10): 8
Midsommar | 2019 | 147 mins | Realização e argumento: Ari Aster | Elenco principal: Florence Pugh, Jack Reynor, Vilhelm Blomgren
Anúncios

Comentários

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s