Saul Bass: A arte dos títulos

Saul Bass (1920-1996), é um dos mais reconhecidos designer gráficos do século XX, o seu trabalho ficou imortalizado pelo design irreverente de títulos e créditos iniciais para o cinema. Tudo começou com uma colaboração com Otto Preminger no filme O Homem do Braço de Ouro (1955), um filme que já por si quebrava barreiras pelo tema controverso das drogas, proibído durante muitos anos durante o periodo de censura em Hollywood. Se até então era usual o filme ser visto apenas a partir da cena inicial, deixando de fora todos os créditos, neste filme as latas continham a segiuinte nota: “Projecionistas: abrir as cortinas antes dos títulos”.

O Homem do Braço de Ouro (1955)

Anatomia de um Crime (1959)

Saul Bass tinha conseguido reinventar os títulos como uma forma de arte, fez mais de 50 sequências de títulos para realizadores como Preminger, Alfred Hitchcock, Stanley Kubrick, John Frankenheimer and Martin Scorsese.

A primeira das várias colaborações que teve com Hitchcock foi Vertigo (1958) onde Bass faz um plano de pormenor ao olho de uma mulher que espelha uma espiral sangrenta que invade todo o ecrã.

O projecto seguinte foi North by Northwest (1959) onde os créditos aparecem na vertical inspirando o mecanismo de um elevador sobre uma grelha que mais tarde nos apercebemos ser a fachada de um arranha céus.

Inesquecíveis são também as linhas verticais que Bass usou no início de Psycho (1960). Hitchcock admirava de tal forma o talento de Bass que o convidou a participar no próprio filme, mais concretamente na famosa cena da banheira com Janet Leigh.

” Bass cria uma imagem emblemática que é automaticamente reconhecida e associada ao filme ” –  Martin Scorcese

Martin Scorcese convidou Bass para colaborar consigo em Tudo Bons Rapazes (1990), onde na sequência inicial os créditos passam à velocidade dos carros que ouvimos em off.

Bass criou também a sequencia inicial de A Idade da Inocência (1993), de Martin Scorcese.

E o estonteante voo e queda de Robert De Niro  pelos neons de Las Vegas em Casino (1995), metafora à sua descida aos infernos.

Para Stanley Kubrick fez, entre vários projectos, a sequência inicial de Spartacus (1960), e The Shining (1980).

The Shining (1980)

letterretirado de http://www.theoverlookhotel.com/

shining_

Anúncios

Comentários

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s